Magista Obra II. Nike lança segunda geração de sua chuteira de controle

0
348

[[imagem37915]]A Nike apresentou nesta terça-feira a chuteira Magista Obra II, a segunda geração do modelo de controle da marca norte-americana. A Magista foi introduzida meses antes da Copa do Mundo de 2014 e criou o ineditismo do cano alto. Agora, o novo modelo reformulado chega com várias inovações em praticamente todas as partes da chuteira e será usada nas Olimpíadas 2016 no Rio de Janeiro. O Guia do Boleiro antecipou a Magista II na semana passada. A Nike apresentou também a Magista Opus II, que é a chuteira versão cano baixo e com diferenciais inferiores de tecnologia.

{Para comprar diferentes versões da Magista II no site da Nike, clique aqui}

Os garotos-propaganda da Magista II serão Blaise Matuidi, David Luiz e Mario Götze, este último já presente inclusive em imagens de divulgação do lançamento. Marquinhos (PSG) e Thiago Maia (Santos) usarão esse modelo nas Olimpíadas jogando pela seleção brasileira. Antes de falarmos sobre cada mudança, podemos resumir que a principal mudança da Magista II ocorreu para maximizar ainda mais o toque da chuteira com a bola. Essa preocupação da Nike fica evidente com a criação do mapa de calor no cabedal da chuteira baseado no jogador que controla o jogo, por isso as áreas de passe tem a cor mais próxima do vermelho. “Entregando uma melhor sensibilidade com a bola, os jogadores podem ser mais confiantes para criarem jogadas no gramado sem distrações”, avaliou o designer da Nike Futebol Phil Woodman. A Adidas havia lançado em 2014 uma chuteira para Messi explorando também essa ideia dos pontos de calor. [[video37914]]

Segundo a marca de Oregon, a empresa avaliou vários filmes de partidas em câmera lenta para identificar as áreas da chuteira que mais tocam na bola. E essa talvez seja a maior mudança da primeira geração para a Magista II Obra, o modelo cano alto. Essa segunda geração continua com o cabedal feito em Flyknit (tecido tricotado), mas ela ganhou um volume um pouco maior graças a uma espécie de espuma sensível para o pé, que visualmente lembra uma colmeia e a própria chuteira Hypervenom. Segundo a Nike, a área de maior sensibilidade com a bola tem o volume do cabedal em 4,5mm, ou seja, ela varia de acordo com o mapa de calor na chuteira.

“Imaginamos o cabedal da Magista 2 atuando como uma extensão orgânica do pé. A textura é almofadada, projetada para comunicar-se com o sentido do tato de um jogador quando a bola entra em contato com seus pés." Pensando nisso, a Nike fez o vídeo de divulgação focando no sentido do tato e uma imagem com a chuteira em conjunto com o cérebro. [[imagem37908]]

Além de um cabedal mais sensível com o toque, a nova Magista II veio com o cano alto diferente. Agora, o Dynamic Collar contorna melhor o desenho do tornozelo e retirou um pouco de tecido na frente e na parte de trás. A Nike fez até um desenho defendendo que com essa mudança a flexibilidade ficou melhor.

O solado é outro capítulo diferente nesta segunda geração da Magista. Se antes, o modelo tinha todas as travas redondas, exceto duas pequenas ao centro; agora a Magista II tem os cravos que misturam um formato redondo com o triangular e um conjunto central de travas que formam um desenho redondo, aspecto trazido da chuteira Mercurial. 

A Nike Magista Obra II chega às lojas lá fora com o preço de US$ 300, um acréscimo de US$ na primeira geração da Magista. [[imagem37911]]

 

[[galeria]]

Siga o Guia do Boleiro no Twitter e no Instagram

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here