Testamos a chuteira Adidas F50 Adizero, que fez história nos pés de Messi

0
435

Após mais de dez anos de história e milhares de gols por campos de todo o mundo, a chuteira F50 Adizero foi aposentada pela Adidas em maio deste ano. Lançado em 2004 para ser usado pelos jogadores de velocidade da marca alemã e competir com a Nike Mercurial, o modelo fez história nos pés de Lionel Messi e diversos outros craques. Por isso, o Guia do Boleiro fez questão de realizar um teste com a chuteira (versão top de linha entre os modelos F50) antes de seu adeus definitivo, já que ela estará nas lojas por um bom tempo e agora com alguns descontos.

Além de Messi, que nos últimos anos passou a utilizar versões exclusivas da Adizero, a chuteira F50 também era usada por nomes como Luis Suárez, Gareth Bale, Arjen Robben, Diego Costa, Cavani, Lucas Moura, Karim Benzema, Marcelo, James Rodríguez e vários outros. Como essa lista deixa claro, ela atraía principalmente atacantes, laterais e alguns meias mais ofensivos, tudo graças a suas principais características: leveza e ótima tração para arrancadas.

Com apenas 150 gramas, a Adidas F50 Adizero foi durante anos uma das chuteiras mais leves do mercado. Ainda hoje, os poucos modelos que a superaram foram edições especiais (ou de edição limitada), como a Crazylight usada por Bale em 2014 (135g) e a Adizero 99g lançada em abril deste ano e pouco utilizada em jogos profissionais.

Receba as notícias do gb direto no seu navegador. Baixe nossa extensão Chrome

Entre as tecnologias que possibilitam à F50 oferecer esses benefícios para seus jogadores estão a HybridTouch, um material leve e fino que proporciona maior sensibilidade nos toques na bola e, segundo a Adidas, tem “os mesmos benefícios do couro, mas juntando leveza e força para garantir grande durabilidade”; a Dribbletex, uma textura em 3D na superfície da chuteira para melhorar a aderência e facilitar o controle de bola e velocidade no drible tanto no seco como no molhado; e uma sola com travas triangulares dispostas de maneira a aumentar a tração em até 14% e, com isso, otimizar a aceleração e reduzir o atrito nas mudanças de direção. [[imagem30243]]

O modelo da F50 utilizado neste teste do Guia do Boleiro foi o da coleção “Samba Pack“, com a combinação de cores lançada um pouco antes da Copa de 2014 tendo o azul como cor principal, as três listras da Adidas brancas e detalhes em laranja. Apesar da aposentadoria da chuteira, como já dissemos, esta e várias outras versões ainda podem ser encontradas nas lojas de equipamentos esportivos, muitas vezes com bons descontos em relação ao preço de quando foram lançadas.

A partir de junho (e mais especificamente a partir da final da última Liga dos Campeões), a linha F50 Adizero teve duas sucessoras: a Adidas X15, que passou a ser usada pelos jogadores de criatividade, aqueles que “provocam o caos” no futebol, e a Messi15, modelo exclusivo para o craque argentino, principal astro da marca alemã. Uma estratégia ousada da empresa, que torce para o sucesso absoluto dos últimos anos se repetir com as chuteiras “herdeiras”. Os dois novos modelos já estão à venda no Brasil.

Caimento/conforto – 8
O couro sintético não tem, claro, a mesma maciez do natural ou de materiais como os tricotados (Adidas Primeknit e Nike Flyknit). Podemos sentir que na parte do calcanhar ela é um pouco mais dura mesmo. No entanto, a Adidas fez um dos couros sintéticos mais finos e macios para a F50 em relação ao encontrado no mercado. Como relatado no vídeo, ela é um pouco mais rígida ao calçar, mas fica mais confortável com o tempo e a parte da frente em particular tem um tecido mais macio.

Estabilidade – 9
O desenho das travas (triangulares e mais afiados) são feitos para os jogadores arrancarem em velocidade. Os cravos se prendem com firmeza ao terreno e tentam ao máximo impedir riscos de se escorregar. Mesmo nas mudanças de direção e giro, ela é firme e “joga bem” nesta posição também.

Leveza – 9,5
A Adidas Adizero F-50 foi a primeira chuteira profissional a chegar na marca dos 150 gramas. Ao se pegar no modelo versão top de linha da marca já se nota a impressionante leveza do produto. Isso facilita o arranque. Ao correr pelo gramado, fica muito mais fácil transportar o pé e isso faz ainda mais diferença quando se está, por exemplo, nos 40min do segundo tempo.

Design – 8,5
A F-50 Samba mistura o padrão clássico e marcante da Adidas com as cores azul e branco e uma pitada de ousadia com os detalhes em laranja no cadarço, na parte interna e na escrita Adizero. Vale lembrar que a Adizero F50 Samba foi lançada em duas versões: a azul e a laranja.

Molhada – 8,5
Aí vai mais uma vantagem do couro sintético. Ele não absorve água como o couro natural, mas lembrando, claro, que as melhores chuteiras do mercado hoje em couro natural possuem tecnologias que expulsam bastante a água. Em particular, por ter o cabedal bem fininho, a Adidas Adizero F-50 tem ainda mais “aversão” à água. mente o desempenho. No fim das contas, o saldo ainda é positivo.

Entrega do conceito – 9,5
Uma chuteira para jogadores de velocidade tem que ser leve, e a Adidas reinou tranquila com os 150g. Além disso, ela deve ter travas que facilitem o arranque. Outro ponto para a F50. O único detalhe é que, se os cravos fossem ainda mais afiados e em formatos finos, o trabalho do arranque seria ainda mais facilitado. Isso foi aprimorado no novo modelo X15. No geral, no entanto, A Adizero F50 é ideal para atletas de velocidade.