Adidas perde terreno para Nike e aposta tudo na Copa do Mundo

0
60

A Adidas apresentou nesta quinta-feira os resultados de sua faturamento no terceiro trimestre deste ano, o que mostrou uma queda de 7%. Com esse dado e com os bons resultados apresentados pela maior rival Nike (já que reportou um aumento de 8% no mesmo período), fica claro que a marca das três listras continua perdendo terreno para a adversária norte-americana e, por enquanto, tem que se contentar com o segundo lugar como fabricante de artigos esportivos.

LEIA TAMBÉM: Conheça as chuteiras dos principais jogadores do mundo

Como primeira razão para a queda nos números da Adidas, a empresa alemã colocou a desvalorização das moedas estrangeiras frente ao euro, em países como Japão, Brasil, Argentina, Turquia, Rússia e Austrália. Segundo a Adidas, os nove meses de desvalorização dessas economias sugaram 500 milhões de euros frente ao melhor resultado da marca das três listras.

[[galeria]]A segunda razão apontada pela Adidas é um problema de distribuição na Rússia, que é um importante mercado e ainda não conseguiu concluir o mudança para um depósito em Chekhov, perto de Moscou.

A terceira razão ainda inclui o maior país do mundo em extensão, mais precisamente a modalidade do golf, que sofreu uma considerável queda nas vendas, em um esporte em que a Adidas sempre foi muito presente.

RELEMBRE: Loja revela que camisas de Özil vendem cinco vezes mais que as de Bale

Diante do quadro de perda de terreno da Adidas para a líder Nike, o presidente executivo da Adidas, Herbert Hainer, disse que a Copa do Mundo, em 2014 no Brasil, é uma ótima oportunidade de a marca alemã reagir. Vale destacar que o Mundial é patrocinado pela Adidas, que tem chance excepcional de exibir com prioridade seus produtos, com a bola oficial do campeonato, o uniforme dos árbitros, etc…

"Temos enfrentado com rapidez e decisão os desafios do terceiro trimestre para garantir que voltemos a crescer. Um impulso voltará aos nossos negócios no quarto trimestre e futuramente", concluiu o executivo.