Conheça os artilheiros da Copa das Confederações e suas chuteiras

0

A primeira fase da Copa das Confederações chegou ao fim com espetacular média de 4,8 gols por jogo, a maior da história da competição, com grande contribuição do bravo Taiti, que foi vazado 24 vezes em três partidas. Quem mais aproveitou a fragilidade do time da Oceania foram Fernando Torres na vitória da Espanha por 10 a 0 e o uruguaio Abel Hernández no último domingo. Ambos marcaram quatro vezes. O espanhol lidera a tabela de artilheiros porque também fez gol na Nigéria. Conheça as chuteiras dos melhores marcadores do evento que está sendo realizado no Brasil:

1) Fernando Torres (cinco gols) – Comprado por cerca de R$ 170 milhões, o atacante nunca conseguiu repetir no Chelsea as espetaculares atuações da época do Liverpool e por isso perdeu a vaga de titular na seleção espanhola. Ele aproveitou a formação reserva que enfrentou o Taiti para marcar quatro gols e anotou mais um na vitória sobre a Nigéria entrando no segundo tempo. Torres usa a Predator, da Adidas, uma das mais antigas da marca alemã. A principal característica do calçado são os acabamentos reforçados e as zonas letais, regiões porosas distribuídas nas áreas de maior contato com a bola.

LEIA MAIS: Nike e Adidas apostam no preto para novas chuteiras

2) Abel Hernández (quatro) – No concorrido ataque do Uruguai, em que até Diego Forlán, melhor jogador da última Copa do Mundo, é reserva, Abel Hernández teve apenas uma chance e não poderia ter aproveitado melhor. De cabeça, com chapéu, de pênalti, de todos os jeitos, ele marcou quatro vezes contra o Taiti na goleada por 8 a 0. Os gols do uruguaio foram marcados com a Mercurial Vapor IX Volt – cuja nova cor foi revelada pelo italiano El Shaarawy no Twitter . Revelado no Peñarol, Abel joga desde 2009 no Palermo da Itália.

3) Neymar (três) – O brasileiro ajudou na criação do conceito da Hypervenom e aparentemente fez um bom trabalho. Na primeira competição usando a nova chuteira da Nike, Neymar já marcou três vezes, uma em cada adversário do Brasil na primeira fase. Perfeita para jogadores leves, o calçado traz um cabedal (parte que veste o pé) feito de malha e ligado por uma camada de poliuterano, deixando-o mais macio. As travas, quase todas redondas, facilitam a mudança de direção.

[[galeria]]

4) Javier Hernández (três) – Se perdeu espaço no Manchester United com a chegada de Robin Van Persie, Javier Hernández continua sendo a principal referência de uma seleção mexicana jovem e inexperiente. Na Copa das Confederações, marcou de pênalti contra a Itália e fez todos os gols do México na vitória por 2 a 1 sobre o Japão. Chicharito usa a Tiempo, da Nike, conhecida por usar pele de canguru na sua fabricação, o que fornece conforto e facilita o amoldamento com o pé.

5) David Villa (três) – O maior artilheiro da história da seleção espanhola não é titular no time de Vicente Del Bosque. Ainda tentando voltar à forma habitual, aos 31 anos, depois de uma séria lesão no Mundial de Clubes de 2011, Villa só jogou contra o Taiti e marcou três vezes. O atacante do Barcelona calça a leve F50 adiZero, que ajuda na velocidade.

LEIA MAIS: Após trocar por CTR em campo, Balotelli ignora Hypervenom contra Japão

6) Luis Suárez (três) – O polêmico atacante que distribui mordidas e foi punido por ofensas racistas no Campeonato Inglês não faz a melhor Copa das Confederações, mas marcou três vezes, duas contra o Taiti e uma contra a Espanha. O jogador do Liverpool, da Inglaterra, especulado para trocar de clube pela imprensa inglesa, usa a chuteira F50 adiZero, da Adidas, a mesma do brasileiro Fred e de Villa.

7) Nnamdi Oduamadi (três) – Nnamdi Oduamadi foi outro a fazer a festa na defesa do Taiti. O jogador de 22 anos marcou seus três gols no goleiro Xavier Samin e pode se gabar de dividir a posição na tabela de artilheiros com craques como Neymar, Villa e Suárez. O jovem atacante apareceu para o futebol no Genoa, da Itália, e foi contratado pelo Milan, mas acabou emprestado nas últimas duas temporadas para Torino e Varese.  Ele usa a chuteira Puma King, com acabamento maleável e macio na região do tendão.